Produção, composição, consumo e digestibilidade em vacas leiteiras recebendo milho reidratado e ensilado com cana de açúcar como volumoso

Produção, composição, consumo e digestibilidade em vacas leiteiras recebendo milho reidratado e ensilado com cana de açúcar como volumoso

 
Resumo

A hipótese deste estudo é de que grãos de milho seco submetidos a um processamento com moagem mais reidratação e ensilagem (MRE) apresentam maior disponibilidade ruminal de amido do que o milho seco moído (MSM), possibilitando o uso de menor teor de proteína e maior nível de degradabilidade ruminal da proteína, do que os valores preditos pelo NRC (2001) para dietas de vacas leiteiras no terço médio de lactação. A maior degradabilidade ruminal do amido do MRE, pode aumentar o consumo de matéria seca (CMS), a produção de proteína microbiana, a produção de leite, de proteína láctea e melhorar no metabolismo proteico em vacas leiteiras alimentadas com silagem cana-de-açúcar como volumoso. Desta forma, este projeto está organizado em 3 experimentos sequenciais a serem executados ao longo de 2 anos, cujo objetivos são avaliar: 1) efeito da de substituição gradual do MSM por MRE em dietas isoproteicas, 2) teores de proteína bruta (12, 14, 16 e 18%) em dietas que usarão o nível mais adequado de substituição de MSM por MRE (resultado do experimento 1), 3) degradabilidade da proteína, degradável no rúmen (PDR): proteína não degradável no rúmen (PNDR) (60:40, 70:30, 80:20 e 90:10) utilizando os níveis ótimos de substituição do MSM por MRE e teor de PB mais adequados, resultados dos experimentos 1 e 2 respectivamente, para vacas recebendo volumoso a base de silagem de cana-de-açúcar. As variáveis dependentes a serem avaliadas são: CMS, a produção e composição do leite, a produção de proteína microbiana, parâmetros fermentativos do rúmen e balanço nitrogenado. Serão utilizadas 12 vacas Holandesas em estágio intermediário de lactação (> 100 < 200 dias), com peso vivo de aproximadamente 650 kg, distribuídas em quadrado latino, 3 quadrados contemporâneos 4 x 4 com 4 períodos de 21 dias e com 4 tratamentos. As vacas serão alojadas em estábulo tipo “free-stall”, alimentadas duas vezes ao dia com controle individual de consumo de alimentos e regime de duas ordenhas/dia.