Estabilidade do leite durante o processamento térmico de pasteurização e UAT (Ultra Alta Temperatura)

Estabilidade do leite durante o processamento térmico de pasteurização e UAT (Ultra Alta Temperatura).

 
Resumo

Não está claro como fatores nutricionais e de suas interações podem alterar a concentração de íons no leite e a concentração e a estabilidade das proteínas lácteas. Além disso, o teste de estabilidade ao álcool apresenta baixa confiabilidade para estimar a estabilidade térmica, o que agrava o problema de ocorrência de leite instável sem acidez adquirida. Diante disso, os objetivos do presente estudo serão: 1 – avaliar a acurácia, precisão e robustez dos métodos de estimativa da estabilidade do leite, tendo como resultado padrão a estabilidade do leite avaliada no processamento térmico de pasteurização e UAT (Ultra Alta Temperatura); 2 – avaliar o efeito de fonte de carboidrato não fibroso, da inclusão de tamponante/alcalinizante, e de suas interações, sobre o metabolismo digestivo e a composição e a estabilidade do leite de vacas leiteiras em lactação; 3 – avaliar o efeito da relação PDR/PNDR e da fonte de carboidrato não fibroso (alta ou moderada degradabilidade ruminal) sobre o metabolismo digestivo e a composição e a estabilidade do leite de vacas leiteiras em lactação.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>